terça-feira, 19 de junho de 2012

quem não chora não mama

      No subsolo de algum lugar insuspeito, no terceiro corredor à esquerda, atrás de uma pesada porta de ferro trancada a sete chaves e guardada pelo circuito de vigilância interna, encontra-se o inestimável e secreto acervo do DEPÓSITO DE LÁGRIMAS DO TELEJORNALISMO NACIONAL. Não que o choro seja privilégio dessa modalidade de entretenimento, mas todo mundo sabe que uma lágrima colhida in loco, à frente das câmeras – portanto, eternizada em seu agridoce frescor – trata-se de um bem valiosíssimo.
      Minuciosamente catalogados, não se deve misturar jamais os casos de menor potencial dramático, como derrotas de times, com – estes sim – os parentes de vítimas de acidentes fatais, criminosos arrependidos e famílias desalojadas em terremotos e enchentes. Embora as lágri-
mas de dor apresentem uma composição especial – constituindo o próprio sabor da tragédia humana, segundo os cientistas –, as amostras em casos de reencontros familiares (alegria) e flashbacks de parentes falecidos (nostalgia) também são catalogadas, porém na área dos progra-
mas vespertinos.
      O legítimo agente televisivo deve saber conduzir o entrevistado à primeira lágrima (a mais valiosa) sem pressa, é preciso construir o choro como quem induz um rato de laboratório à recompensa. Deve estar sempre em prontidão, com o frasco coletor em mãos (devidamente disfarçado sob o microfone), para colher a lágrima fresca e ainda quente, direto da nascente. A amostra será então conduzida às instalações do DDLDTJN para catalogação e armazenamento, mas, infelizmente, só poderá ser conservada por até três dias - prazo em que deixa de comover até o mais sensível coração de manteiga-mole, e deve ser imediatamente substituída por outra de matéria semelhante ou mais dramática.
      Constam ainda do acervo as lágrimas de crocodilo, reunindo a farta produção da política, reality shows e teledramaturgia brasileiras, basicamente, e que, devido à sua baixa volatilidade, ocupa um galpão de área imensamente maior do que as anteriores, o que é perfeitamente compre-ensível se levarmos em conta seu aspecto ordinário.

4 comentários:

Luda Lima disse...

Legal, Ê!

Parabens atrasado!!
Eu vi no instagram da Clara! <3
;-]

ê. disse...

valeu luda ;)

Biu disse...

é de fazer chorar

gabriel disse...

e tem o zoom, na hora do choro o enquadramento tem que fechar, sempre!