quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

lavando louça

Lavar a louça é uma tarefa doméstica corriqueira, a qual os seres humanos postergam na medida do possível e do limite de armazenamento da pia. Quando a situação torna-se enfim insustentável, é hora de arregaçar as mangas e enfrentar as pilhas de panelas, talheres, copos e potinhos de plástico engordurados com os restos das refeições anteriores e novas formas de vida em desenvolvimento e plena evolução. Certamente deve-se menos à diversidade gastronômica do que a esse momento, o advento dos restaurantes e tele-entregas. Porém, uma vez iniciado o procedimento, até que não é tão ruim. É possível observar o aguçamento das capacidades abstrativas, o que vem a calhar no desenvolvimento e prática de assobio solo. Deve ser isso o que chamam musa, ou inspiração: uma pilha de louça suja. Em devaneios profundos, gerados pela fricção espumante entre a bucha e os utensílios, tem-se relatado sistematicamente a criação de sinfonias, operetas e antologias completas de poesia altamente inspiradas, embora de qualidade questionável. Mas nem tudo são flores. Finda a sua execução, as travessas pingando sobre o escorredor, resta ao nobre cidadão pedir uma pizza pelo telefone e resignar-se com relutância, adiando o futuro inevitável da prataria reluzente.


Nenhum comentário: